Monica Uehara

Estes pãezinhos de queijo, eu assei com ajuda da máquina de fazer cupcakes (que já apresentei aqui neste post sobre cupcakes sabor churros) e também neste post sobre Cupcakes de chocolate e creme de avelã. Eu adoro essa máquina, pois com ela é possível preparar vários lanchinhos de maneira bem rápida. Esses pãezinhos foram assados em 8 minutos.
Comprei a máquina já há algum tempo e lembro que paguei menos de R$ 100,00. Achei que valeu muito a pena.
Esta, é a mesma receita dos pãezinhos de queijo de liquidificador (veja aqui), e caso você não tenha a máquina e queira preparar os pãezinhos no forno convencional poderá assá-los em forminhas para empada.
Veja também pães de queijo assados na sanduicheira.

Ingredientes (rendimento 18 pãezinhos):
1 xícara (chá)  de leite
meia xícara (chá) de azeite de oliva (pode substituir por óleo)
3 ovos
3 xícaras de polvilho doce (pode substituir por polvilho azedo ou metade polvilho azedo e metade polvilho doce)
100 gramas de queijo parmesão ralado
sal a gosto

Fiz assim:
Bati todos os ingredientes no liquidificador. Liguei a máquina e esperei aquecer. Pincelei um pouquinho de manteiga na máquina, e despejei um pouco de massa em cada forminha. Esperei assar.


Na primeira vez, os pãezinhos assaram em 8 minutos. Nas demais, assaram em menos tempo, pois a máquina já estava bem quente.

Dicas: Os pãezinhos não grudam na máquina e soltam facilmente.

A massa pode ser preparada antecipadamente e guardada na geladeira para você assar no dia seguinte para o café da manhã. Guarde em um recipiente com tampa ou coberto com plástico filme.
Monica Uehara

Não dá para imaginar uma festa infantil brasileira sem brigadeiro, não é? Mesmo que seja só por tradição. Este é um docinho tão popular no Brasil que a maioria das pessoas aprende a fazer quando criança. Tenho memórias incríveis da minha infância quando eu e uma das minhas irmãs preparávamos brigadeiros para nossas festinhas de aniversário. Bom, o fato é que com a "gourmetização" desse docinho, foram criadas muitas "regras" para preparar assim ou assado, que não pode usar achocolatado, que não pode usar margarina, etc., etc. A minha opinião com relação a culinária é que PODE TUDO! Você pode fazer tudo do jeito que você preferir! Para mim, regras demais na cozinha, tiram a vontade de cozinhar e de comer também.
Continue preparando seus docinhos como você gosta, seja com margarina, seja com manteiga, seja com achocolatado ou cacau 70 por cento.

Veja aqui mais receitas de brigadeiros e docinhos para festa.

Uma pergunta constante dos leitores do blog, tem sido, o que fazer para o doce não açucarar? E isso já aconteceu comigo também uma vez, e a razão foi o leite condensado de qualidade ruim. Mas, pode acontecer, mesmo com leite condensado de boa qualidade. Duas dicas importantes que aprendi nos últimos tempos, foram, acrescentar uma colher de sopa rasa de farinha de trigo (que vai impedir que o brigadeiro fique puxa-puxa) e uma colher de sopa rasa de glucose (que vai impedir que o brigadeiro açucare).
Desde então, acrescentei estes dois ingredientes na minha receita e sempre deu certo! Ficam macios por vários dias e não açucaram!

Ingredientes:
1 lata de leite condensado de boa qualidade
2 colheres cheias de creme de leite sem soro
2 colheres de sopa rasas de chocolate em pó (uso o dos frades). Aqui no México uso o Hershey´s em pó.
1 colher de sopa rasa de farinha de trigo
1 colher de sopa rasa de glucose. Aqui no México uso a glucose Karo para bebês.
Chocolate granulado

Fiz assim:
Penerei a farinha e o chocolate e reservei. Untei um prato raso com manteiga e reservei. Misturei todos os ingredientes, exceto o granulado em uma panela antiaderente e com fundo grosso e misturei bem, até que todos os ingredientes já estivessem incorporados (não tem problema se a glucose não dissolver totalmente antes de ir ao fogo).

Cozinhei o brigadeiro em fogo médio mexendo muito bem, sem parar em todas as direções, evitando que o brigadeiro grudasse no fundo e lateral da panela. O brigadeiro começou a desgrudar do fundo da panela, então cozinhei por mais uns quatro ou cinco minutos, sem parar de mexer e coloquei no prato untado com manteiga para que esfriasse.

Deixei esfriar muito bem e enrolei as bolinhas, untando as mãos com um pouco de manteiga. Passei no chocolate granulado e servi.

Dicas:
Você encontra a glucose em lojas que vendam produtos para confeitaria. Não esqueça de molhar a colher com água e as mãos também antes de trabalhar com a glucose, pois isso impedirá que ela grude na colher e nas suas mãos. Caso contrário, você vai se ver louca ao trabalhar com este ingrediente.
Eu não uso manteiga, nem margarina na receita, pois acho que o leite condensado já contem gordura demais, mas, se você costuma usar, pode continuar, sem problemas.
Se você não tiver prática, cozinhe o brigadeiro em fogo baixo. Vai demorar mais, mas, o risco de queimar no fundo e nas laterais é bem menor.
A farinha serve também como espessante e o ponto do brigadeiro será mais rápido. Não se preocupe, que se ela estiver bem cozida, não ficará gosto nenhum de farinha no seu brigadeiro.
O prazo de validade é de aproximadamente 7 dias.
Pode ser congelado.
Costumo preparar a massa do brigadeiro a noite para enrolar no dia seguinte e assim, garantir que esfriou bem.
Você pode oferecer brigadeiros em uma marmitinha como lembrança para festa. Em uma marmitinha pequena cabem seis brigadeiros.

Veja aqui mais idéias de lembrancinhas para festas.
Monica Uehara

Esta receitinha é mais um coringa. Super fácil. Pode ser servida no lanche ou como sobremesa. Fica uma maravilha se você servi-la com uma bola de sorvete.
Veja também a receita de crumble light de frutas aqui.
Há muito tempo eu havia postado uma receita de torta de bananas, também visando o aproveitamento de bananas maduras (veja aqui), semelhante a este crumble, e é uma das receitas mais acessadas aqui no blog. Mas, esta aqui é ainda mais fácil! São só 5 ingredientes e que geralmente sempre temos na despensa.

Esta receita também é legal para ser produzida com as crianças. (veja aqui mais receitinhas fáceis para preparar com as crianças).

Cozinhando com as crianças
Bolo gelado de abacaxi e coco - cozinhando com as crianças
Como fazer Mousse de Maracujá - cozinhando com as crianças.
Decorando cupcakes com as crianças.
Salada de ovos - cozinhando com as crianças.

Ingredientes:
6 bananas nanicas maduras (não experimentei com outros tipos de bananas)
7 colheres rasas de açúcar
5 colheres rasas de manteiga ou margarina
7 colheres rasas de farinha de trigo
canela em pó a gosto.

Fiz assim:
Descasquei e cortei as bananas no sentido do comprimento e coloquei em um pirex que podia ser levado ao forno.

Penerei o açúcar e a farinha e misturei com  a manteiga, fazendo uma "farofinha".

Coloquei a farofa por cima das bananas

e polvilhei um pouco de açúcar e canela por cima.

Levei ao forno em 180 graus por aproximadamente meia hora. Se você gosta mais douradinho, deixe um pouco mais no forno.

Dica: Sirva o crumble quentinho com sorvete.
Monica Uehara
Peña de Bernal
A Cozinha da Monica agora está no México!
Quem acompanha o blog desde o comecinho (há quatro anos), deve lembrar que comecei a escrever quando morávamos na Venezuela, e agora, as experiências gastronômicas serão compartilhadas do México, esta terra com uma cultura tão rica, colorida, encantadora!
Bom, é verdade o que dizem: A comida aqui, geralmente é muito apimentada. E é melhor perguntar antes se "pica", porque aqui não é dificil encontrar doces, e até sorvete picante!
Para conhecer mais sobre um povo, ou uma cultura, acho interessante observar a gastronomia local, que sempre tem muito a dizer. Aqui, além de picantes,  os pratos são muito coloridos também. Muito mesmo! E muito temperados também. Assim, como na Venezuela, o milho está bem presente na culinária. E em grãos multicoloridos.
Há muitos lugares interessantes para conhecer aqui.
Conhecemos uma cidadezinha muito linda! Chama-se San Sebastian de Bernal, e é considerado um "pueblo mágico". O ponto turístico principal é a Peña de Bernal, um monolito gigantesco, que diz a lenda, está carregado de energia. San Sebastian de Bernal é um pueblito encantador, em estilo colonial e multi colorido! Há restaurantes e hotéis charmosos por todos os lados e muitos artesanatos com preços ótimos.




Parte da atração turística, claro, está voltada à gastronomia local, e há anúncios de "gorditas" por todos os lados. Gorditas, são muito semelhantes às arepas venezuelanas (veja aqui), mas, aqui, são produzidas com milho negro ou azul!

Confesso que achei super estranho quanto à aparência (parecia uma pedra), mas, é uma delícia! E o sabor e consistência, muito semelhantes às arepas venezuelanas (que eu adoro!!)

Tanto as arepas, como as gorditas, são uma espécie de "bolinho" de milho recheados. Os recheios podem ser os mais diversos, como: frango, carne desfiada, presunto e queijo, etc. Eu provei a gordita recheada com champignons. Aprovada!

Provamos as gorditas em um restaurante chamado Tierracielo, que tem uma vista excelente da Peña de Bernal.


Fachada do Tierracielo

decoração no interior do Tierracielo

Além disso, a decoração no interior dos restaurantes é uma atração à parte.


Há petiscos menos exóticos também, como as quesadillas.


Há muito o que aprender e observar sobre a gastronomia mexicana. A visão que estou tendo agora é muito diferente da que eu tinha sobre a culinária mexicana vista do Brasil. Acredito que o que acaba "pegando" no Brasil, são adaptações para o gosto brasileiro, e por isso, a diferença.
Até agora não encontrei por aqui, as "paletas mexicanas" que estão fazendo sucesso no Brasil, Por enquanto "paleta" tem sido sinônimo de pirulito.
Há muitas comidas "exóticas", que eu apesar de apaixonada por gastronomia, não chego nem perto!
Bom, mas, enfim, é tanta cultura vinculada a este assunto que estou encantada!

Veja aqui mais postagens sobre Turismo Gastronômico:
Cantucci com Vin Santo e dica gastronômica em Firenze.
Cheesecake Factory
Dicas de compras no bairro da Liberdade - São Paulo.
Feijões de todos os sabores do Harry Potter. Dica de viagem Orlando.
Zona Cerealista de São Paulo ou "Rua Santa Rosa" Parte 1.
O que comprar na Rua Santa Rosa ou zona cerealista de São Paulo. Parte II.
O melhor macaroon do mundo!
O RUM DOS PIRATAS DO CARIBE!!! Parte 1!
Suco de abóbora (Pumpkin Juice) no Castelo de Hogwarts da série Harry Potter!!

Monica Uehara


Esta receita é sucesso garantido. A massa não leva farinha e portanto, não contém glúten, ( Clique aqui para ver mais algumas receitas sem glúten.) e é daqueles bolos que a gente adora porque basta colocar tudo no liquidificador e levar para assar!

Já fiz várias vezes. Aliás, ela é uma das receitas que constam no meu caderninho de receitas que comecei a escrever quando ainda era criança e que deu origem ao blog. Eu não havia postado ainda porque apesar de este bolo ser um espetáculo de tão delicioso, ele não é "fotogênico", então, a cada vez que eu fazia, tirava algumas fotos para postar, que não ficavam legais, até que estas que postei logo acima, ficaram "mais ou menos".
Já preparei este bolo inúmeras vezes .É uma delícia.
E nesta semana, eu estava separando os ingredientes para prepará-lo, e minha irmã me chamou pelo whattsapp para pedir a receita! Então, me dei conta de que não estava no blog e precisava postar, já que este bolo é sucesso absoluto!
Vocês não fazem ideia do aroma que este doce deixa pela casa enquanto está no forno!
Receita que eu adoro! Bate tudo no liquidificador, e coloca para assar!
Ingredientes:
6 espigas grandes de milho verde
2 xícaras de leite
2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina derretida
2 xícaras de açúcar
4 ovos
1 colher (chá) de canela em pó (opcional)
1 colher rasa (sopa) de fermento em pó.

Fiz assim:
Retirei os grãos do milho com uma faca bem afiada. Coloquei no copo do liquidificador todos os ingredientes, (exceto o fermento e a canela), inciando pelos líquidos. Bati muito bem, até ficar uma mistura homogênea. Finalmente acrescentei o fermento e bati mais um pouquinho, só para misturar. Untei muito bem uma assadeira com margarina e coloquei a massa, por cima espalhei a canela e levei ao forno por aproximadamente 40 minutos, ou até que espetando um palito no centro do bolo este saísse limpo.
Meu velho caderninho de receitas que deu origem ao blog.
Dicas: Coloque no copo do liquidificador primeiro os ingredientes líquidos, para que este não "emperre" na hora de bater o milho.
Dependendo da qualidade do milho, o bolo pode não desenformar, e você poderá servi-lo retirando com a colher, sem cortá-lo em quadradinhos. Fica delicioso das duas formas.
Já experimentei preparar este bolo com milho em latinha, mas, não achei bom o resultado. O sabor e aroma são totalmente diferentes.

Clique aqui para ver mais algumas receitas sem glúten.

Monica Uehara

Adoro aroma de pão assando! Aliás, será que existe quem não goste? Imagine, então, o aroma de um pão com alecrim e azeite!!

Esta receita, aprendi no curso de gastronomia que fiz no Iga. Posso afirmar que é um dos pães mais gostosos que já provei. Após ter preparado e provado a focaccia no curso, tentei por duas vezes preparar em casa, mas, não ficava igual, a parte de baixo ficava dura. Então, conversando com uma amiga "expert" (Veruscka, muito obrigada, mais uma vez!) em pães e que também frequentou o curso comigo, vi que a temperatura do forno indicada no livro do Iga, estava errada. A temperatura ideal para assar esta focaccia é de 170 graus. Desde então, preparei várias vezes e  sempre ficaram excelentes.
Eu costumo preparar esta massa com ajuda da batedeira Kitchenaid, mas, ela pode ser sovada normalmente com as mãos, ou também com ajuda da máquina de fazer pão.
Aliás, sempre me perguntam se eu penso que vale a pena comprar uma batedeira Kitchenaid, e eu recomendo. Na minha opinião, vale cada centavo! Posso sovar pão, bater massas pesadas, sem que a máquina "sofra". Tenho também o liquidificador da mesma marca, mas, minha opinião não é positiva. Mas, enfim, a batedeira é muito boa mesmo e me auxilia muito na cozinha.
Esta focaccia, para ficar uma maravilha, tem alguns segredinhos, que estão todos explicados logo abaixo. Vale muito a pena experimentar.

Veja aqui a receita de pão de cebola.
Veja aqui como assar pão de queijo na sanduicheira

Fiz assim:

Ingredientes:
250 gramas de farinha de trigo peneirada
2 gramas de sal (2 pitadas)
20 gramas de manteiga
100 a 150 ml de leite morno
15 gramas de fermento biológico fresco
25 gramas de açúcar.
folhinhas de alecrim fresco
1 cebola pequena cortada em fatias finas
azeite de oliva suficiente para pincelar o pão
sal grosso a gosto

Fiz assim:
Coloquei na tigela da batedeira (Kitchenaid) a farinha, a manteiga, o sal, o açúcar, o fermento e um pouco do leite. Misturei bem com uma colher, e usando o gancho, bati na velocidade 4 até que a massa estivesse lisa, uniforme e desgrudasse das laterais da tigela da batedeira, formando "uma bola".


Fui adicionando o restante do leite aos poucos durante o batimento (utilizei cerca de 130 ml de leite). Retirei a massa da batedeira e coloquei em um bowl para que duplicasse de volume (cobri o bowl com plástico filme para auxiliar a fermentação).





Vale observar, que para este procedimento, não é possível utilizar qualquer batedeira, pois a massa é pesada e se a batedeira não tiver potência suficiente, pode queimar.
O pão pode ser sovado normalmente com as mãos. O ponto de sova é quando a massa estiver, lisa, homogênea, elástica e ainda úmida, mas, sem grudar nas mãos.
Após a fermentação, coloquei a massa dentro de uma forma retangular pequena (pode usar uma forma redonda também) de 20 cm  por  16 cm. Cobri novamente a forma com plástico filme e esperei novamente que duplicasse de volume.




Quando duplicou de tamanho, pincelei o pão com o azeite, tomando cuidado para não deixar escorrer, coloquei por cima as folhinhas de alecrim, a cebola fatiada e um pouquinho de sal grosso.

Assei em forno pré aquecido a 170 graus Centígrados, tomando cuidado para não tostar a parte de baixo do pão. Quando a parte de baixo começou a ficar dourada, liguei o grill do forno, para dourar a parte de cima (cerca de 5 minutos). Retirei do forno e logo em seguida, retirei o pão da forma para que esfriasse e terminasse a cocção fora do forno.

Dicas:
O forno muito quente deixará o pão duro. É importante não deixar que a parte de baixo do pão toste demais para manter a textura macia da focaccia.
Não deixe o azeite escorrer pelas laterais do pão, isso fará com que o pão "frite" ao invés de assar e a textura não será a mesma.
A quantidade de leite é variável, pois depende da qualidade da farinha e da temperatura e umidade local.

Veja aqui mais dicas para preparar pãezinhos fofinhos.


Monica Uehara

Eu já havia visto esta dica em várias páginas na internet, mas, ainda não havia experimentado! E como só costumo postar aqui no blog, sobre dicas que já experimentei, o post ficou armazenado. Minha batedeira é planetária e eu sempre via fotos de batedeira com espátulas, fazendo este trabalho. Mas, achei a dica tão bacana que quis experimentar. E não é que dá certo mesmo!!? Maravilha!!
Eu costumvaa desfiar frango ou carne, usando o processador. Mas, meu processador é muito pequeno, então, tinha que fazer este trabalho em várias etapas.

Veja mais dicas para facilitar seu dia-a-dia clicando aqui.
Veja aqui o índice com várias dicas culinárias.

Fiz assim:

Refoguei pedaços de peito de frango em um dente de alho e um fio de azeite. Adicionei um pouquinho de sal e uma pitada de coloral, uma folha de louro e um pouquinho de água. Tampei a panela e deixei até que o frango estivesse cozido. Retirei a pele e os ossos da carne.
Coloquei os pedaços de frango na tigela da batedeira e liguei em velocidade média.

Em 2 minutinhos, o frango estava assim, desfiadinho,

e pronto para ser utilizado em recheios de tortas e sanduiches, coxinha, empadinhas, crepes e panquecas, esfihas, cobertura de pizza, escondidinho de frango, salpicão, ou o que sua imaginação mandar!

Dica: Tenho sempre um pote no freezer com frango cozido, temperado e desfiado. É um coringa!